As vantagens de estudar no estrangeiro

27 Setembro 2017 | 883

Começou um novo ano letivo para os finalistas do secundário. Para muitos destes jovens novas preocupações vão ganhando relevância. Que curso escolher? Em que faculdade se querem inscrever? Estas preocupações são partilhadas pelos pais. Decerto que, ao longo de todo o ano, muitas serão as alternativas que irão considerar. Porém, muitos jovens quando chegam à altura de decidir, não sabem que curso escolher e, de acordo com dados do portal Infocursos do Ministério da Educação, um em cada cinco estudantes desiste ou muda de curso no final do primeiro ano da licenciatura, em parte por não ter feito a escolha mais acertada.

Embora seja uma decisão dos filhos, eles nunca a irão tomar sem primeiro consultarem os seus pais, pedirem opiniões e orientação. É importante que estes participem na escolha dos filhos sem imposições, o que possibilita que eles se sintam seguros e confortáveis com a profissão que irão seguir.

Para que os possam apoiar, é essencial que os pais estejam informados acerca de todas as oportunidades de ensino disponíveis para os seus filhos, incluindo a possibilidade de estudar fora do País, uma opção cada vez mais real no mundo global em que vivemos. Só desta forma podem verdadeiramente ajudá-los numa decisão que terá impacto ao longo de toda a sua vida. E as opções são inúmeras. Estudar em Portugal ou no exterior? Que vantagens tem estudar fora do País? E onde? Como ajudá-los a escolher a universidade mais adequada para eles? Como funcionam as questões de logística, tão simples como o alojamento? Estas são as principais questões com que os pais se vêem confrontados quando os seus filhos estão prestes a acabar o décimo segundo ano.

Estudar além fronteiras é há muito uma excelente oportunidade para ganhar conhecimento e construir um currículo que se destaque dos demais. De acordo com o Relatório The Future of Jobs, estamos a assistir a uma mudança na dinâmica do trabalho, sendo que a valorização da flexibilidade tem vindo a aumentar cada vez mais. Assim, estudar no estrangeiro tornou-se atualmente uma mais-valia para os indivíduos, o que origina uma maior sensibilidade para este fator. Este ano serão 5 922 os alunos portugueses que apostaram numa formação fora de Portugal, através do Programa Erasmus, uma das opções disponíveis.

A experiência de estudar fora é uma oportunidade pessoal única, que pode tornar-se apelativa por razões distintas e que não se prendem apenas com o lado profissional. O enriquecimento pessoal, a aprendizagem de novas línguas, o contacto com pessoas com culturas diferentes, o confronto com o desconhecido, entre outros factores, são ferramentas essenciais para o crescimento dos individuos ao longo de todo o percurso académico e profissional. Embora sintam a falta da família e dos amigos, ganham em liberdade e responsabilidade e descobrem outras formas de estar na vida.

O leque de escolha no estrangeiro é bastante alargado, dependendo de país para país. Desde os estágios, passando pelas licenciaturas, MBA ou para quem apenas pretende aperfeiçoar um idioma, existem os cursos de línguas. No entanto, os seus filhos deverão escolher o país de destino, segundo as referências e qualidade de ensino na sua área e não porque por ser um destino que quisessem visitar ou por estar na moda. Por outro lado, as possibilidades não se esgostam aqui. É ainda possível obter propinas gratuitas, financiadas, bolsas de estudo ou outras medidas de financiamento mais adequadas para os estudantes.

Do que está à espera para saber mais sobre todas as opções disponíveis para estudar em inúmeros países.

Quais as razões para estudar no estrangeiro?

- Conhecer novas culturas

- Fazer amigos de todo o mundo

- Ganhar independência

- Adquirir um mind-set global

- Aumentar as perspectivas de emprego internacional

- Estudar em locais de excelência na tua área

- Networking

- Desenvolver as competências linguísticas

- Descobrir novas formas de aprender

- Ganhar experiência de vida

Custo médio de vida médio por país

- Suíça 1.200 €

- USA 1.150 €

- Itália 1.000 €

- Reino Unido 900 €

- Austrália 850 €

- Holanda 800 €

- Alemanha 800 €

- Dinamarca 700 €

- Espanha 700 €

- França 700 €

- Irlanda 650 €

- Canada 650 €

- Rep. Checa 500 €

- Malásia 450 €

- Polónia 400 €


Fonte: Visão