O impacto de estudar no estrangeiro – Mobilidade e Desenvolvimento de Carreira

17 Dezembro 2020 | 179

Durante muitos anos, o impacto de estudar no estrangeiro era descrito em frases como:

"Irá mudar completamente a tua vida!"

"Vais voltar uma pessoa completamente diferente!"

Contudo, o impacto real, a longo prazo, de uma experiência desta natureza numa pessoa, continuava a ser desconhecido.

Nesse sentido, o Instituto para Educação Internacional dos Estudantes (IES) realizou uma pesquisa para determinar esse impacto a longo prazo, analisando 3 parâmetros da vida dos estudantes: pessoal, profissional e académico.


Impacto do estudo no estrangeiro:

Fonte: https://www.iesabroad.org/study-abroad/why/alumni-survey-results


Os resultados referidos mostram, talvez sem surpresa, quais são os maiores benefícios académicos, culturais e pessoais para um estudante que opta por uma experiência académica no estrangeiro.


O estudo também sugere que mesmo que a sua duração seja no mínimo de seis semanas, como por exemplo um curso de línguas, também poderá produzir bons resultados aos níveis académico, pessoal, profissional e intercultural.

O Erasmus Impact Study (2013) analisou os efeitos da mobilidade internacional nas competências e empregabilidade dos estudantes. O estudo destacou que os estudantes internacionais são mais propensos a exercer cargos de chefia nas suas futuras carreiras e são menos propensos a sofrer desemprego de longa duração.

Em vários estudos foram identificadas diferentes tipos de competências que os empregadores do século 21 procuram nos seus trabalhadores:

  • Capacidade comunicativa
  • Confiança 
  • Conhecimento académico
  • Curiosidade
  • Flexibilidade/Adaptabilidade
  • Competências interculturais
  • Competências interpessoais
  • Competências linguísticas
  • Liderança
  • Resolução de problemas
  • Auto-conhecimento
  • Trabalho em equipa
  • Competências técnicas/software informático
  • Tolerância para a ambiguidade
  • Ética de trabalho